Boko Haram: Um ano após sequestro de estudantes na Nigéria, grupo ainda aterroriza o país

Publicado no site Uol Educação em 27/04/2015

Por Carolina Cunha

Em 14 de abril de 2014, o sequestro de 276 meninas em uma escola secundária do vilarejo de Chibok, na Nigéria, revelou ao mundo as atrocidades cometidas pelo grupo terrorista Boko Haram, que busca impor a lei islâmica no país.

O sequestro em massa das estudantes inspirou a criação da hashtag #BringBackOurGirls, que mobilizou campanhas na internet para resgatar as vítimas. Neste mês, um ano após o ocorrido, o episódio foi lembrado em protestos, vigílias e cerimônias em diversas partes do mundo.

Nesse período, 50 das meninas conseguiram fugir, mas a maioria ainda está desaparecida. As vítimas que escaparam relatam que foram estupradas, forçadas a se casar com militantes e serem doutrinadas na ideologia do grupo, que ainda ameaçou vendê-las como escravas e usá-las como mulheres bomba. A escola de onde elas foram sequestradas continua fechada.

No entanto, o horror e a violência continuam na Nigéria e o episódio de Chibok é apenas uma das facetas da atuação brutal do Boko Haram. A região nordeste enfrenta conflitos que envolvem o grupo terrorista, as forças militares nigerianas e milícias de autodefesa.

A Anistia Internacional divulgou um relatório que aponta que desde o início de 2014 até março de 2015 o grupo foi responsável pelo sequestro de mais de duas mil mulheres e meninas e pela morte de mais de cinco mil civis em 300 invasões e ataques no nordeste do país.

Homens e meninos foram assassinados ou obrigados a se juntar aos combatentes. Além disso, os ataques estão provocando uma onda de refugiados e mais de um milhão e meio de pessoas se viram obrigadas a fugir de suas casas.

As escolas continuam sendo um dos principais alvos de ataques. Mais de 300 escolas foram destruídas na região nordeste e pelo menos 196 professores e estudantes foram mortos. E nas aldeias controladas pelo grupo, jovens pararam de estudar e está sendo imposta a sharia, lei tradicional islâmica.

Origem
O Boko Haram nasceu em 2002 e seu nome significa “educação ocidental é pecado”. O grupo foi fundado por Mohammed Yusuf, um líder religioso extremista que admirava o movimento Taliban no Afeganistão. Em 2009, ele foi morto por policiais e a nova liderança, Abubakar Shekau, aumentou a escalada de ataques e buscou desestabilizar o governo nigeriano.

Desde 2003, os insurgentes já fizeram milhares de vítimas em atentados contra instalações de segurança, instituições públicas, igrejas e escolas. Seu maior objetivo é impor um Estado Islâmico na Nigéria.

Assim como outros grupos extremistas islâmicos e jihadistas no mundo, o Boko Haram acredita que a cultura ocidental corrompe o Islã e quer impor a sharia, a lei tradicional islâmica. Além disso, o grupo condena a educação ocidental e proíbe mulheres de frequentar a escola.

Em junho de 2014, Abubakar Shekau chegou a proclamar a criação de um califado na cidade de Gwoza. Os Estados Unidos e a ONU acreditam que o Boko Haram tem conexões com os jihadistas da Al-Qaeda, o Estado Islâmico (EI) e grupos extremistas no Mali. O líder Shekau já anunciou lealdade ao EI, que atua na Síria e Iraque.

Resposta
O Boko Haram atua em uma das regiões mais pobres da Nigéria e que tem maioria mulçumana. O país tem uma tradicional rivalidade entre o norte, majoritariamente muçulmano, e o sul, principalmente cristão. A grande pobreza, a religião e o desemprego facilitam ao Boko Haram o recrutamento de novos guerrilheiros.

Em 2013, o governo da Nigéria estabeleceu estado de emergência na região nordeste e o Exército tem feito ofensivas a aldeias controladas pelo grupo e em locais suspeitos de abrigar os militantes. Porém, analistas internacionais consideram a atuação do governo nigeriano como fraca e lenta.

A Anistia Internacional estima que o Boko Haram tenha cerca de 15 mil combatentes. Para diplomatas, existe uma forte resistência do governo da Nigéria em intensificar a repressão aos insurgentes. Em março deste ano, o país teve eleições para presidente e Muhammadu Buhari, o adversário do presidente Goodluck Jonathan, ganhou. Em entrevistas após as eleições, o novo líder declarou que vai intensificar o combate ao Boko Haram.

A ONU fez um apelo para a necessidade de intervenção internacional contra o Boko Haram e alertou sobre o perigo do grupo começar a atuar em países vizinhos à Nigéria. Para a organização, é necessária uma atuação militar regional contra o avanço dos jihadistas na África. Hoje, países vizinhos como o Chade, Níger e Camarões estão apoiando as forças militares nigerianas em suas fronteiras. Os EUA também sinalizaram apoio militar à cooperação regional.

802 Comments

  1. I think this is a real great blog.Thanks Again.